quarta-feira, 12 de março de 2008

Sobre o tempo.

Será que cabem tantos hojes no amanhã da mesma forma que cabem ontens dentro de hoje? Leminski já tocou nesse assunto, mas sem envolver os hojes no amanhã... Deve ser porque ele não sabia se estaria vivo no amanhã daquele fatídico dia. Meu amanhã eu quero moldar, baseado no passado e baseado no futuro também... Pois de nada vale minha real declaração se eu não mais conseguir ter aquilo que quero em determinados momentos. Na busca eu estou, irmão, e estou cansado. É a canseira de querer o real fora daqui. Fora daqui! Fora de mim! Mas ainda é cedo para terminar... pois tenho muito trabalho pela frente: tentar socar esses malditos hojes de todos dentro do próximo amanhã, fumando cada minuto.

3 comentários:

nina disse...

Eu não consigo parar de pensar em VERTIGEM

ranghetti disse...

alguma subistancia estra q substitua a dor do coração

Panda disse...

pra mim o hoje não existe... o momento de agora já era, passou... o hoje é um eterno passado, ou um eterno amanhã. por isso todos os hojes cabem no amanhã, e os ontens caberão para sempre no amanhã até que seus neurônios permitam lembrá-los. essa é a minha teoria.